quarta-feira, 23 de março de 2011

Minha Ação por uma Infância Sem Racismo

Clique aqui para ser direcionado ao site da campanha.

É complicado admitir mas... infelizmente eu ainda tenho atitudes preconceituosas! A cada coisa que vou dizer que percebo essas atitudes, tento mudar. Pq? Pq todos somos seres humanos e não escolhemos ser diferente do 'padrão' definido pela sociedade.
Quem definiu que gente diferente da gente não merece consideração, ou pior, 'não é gente'?

Pensando nisso e pensando nas minhas atitudes preconceituosas, sempre que é possível eu mostro pra Sofia as diferenças entre as pessoas. Não me lembro como foi na minha infância essa questão, por isso me esforço hoje com ela.
A questão é que qndo crianças apresentam atitudes racistas e/ou preconceituosas, normalmente isso vem da vivência familiar, pq escola não escolhe seus alunos de acordo com cor, raça, etc. Então lá as crianças convivem com todo tipo de criança.
Interessante que em um Para Casa dela falava sobre semelhanças, pedindo pra que ela circulasse o que tinha de semelhante com cada criança e ela descobriu que, assim como os índios, ela tbm gosta de jogar bola e tem a cor do cabelo parecida; assim como orientais, ela pratica os mesmos costumes meus; assim como qquer criança, gosta de brincas com os amigos e mtas outras crianças tbm não tem irmãos. Resumindo... se tem tantas semelhanças, pq discriminar um ou outro?
Sempre que aparece alguém com características diferentes, é assim que procuro explicar a ela: os diversos motivos de tal diferença e as semelhanças que essas crianças e ela podem ter. Se percebo alguma atitude preconceituosa nela, procuro explicar e fazê-la entender pq isso não é legal.

O que procuro explicar pra ela é que as pessoas são diferentes, mas com certeza alguma semelhança vão ter! Todas precisam trabalhar para sustentar suas famílias, todas as crianças precisam brincar com outras pra ser felizes. Ser diferente não é sinal de doença, é sinal de que um pode aprender com o outro e isso é ótimo!!!

A campanha da Unicef #InfanciaSemRacismo está sendo divulgada principalmente no twitter. A Ceila descobriu e, como o assunto é de extrema importância, pensou em uma blogagem coletiva. Pq esse tema deve estar presente na cotidiano das mães! Depende muito de nós e da família para que as crianças cresçam respeitando as diferenças!
Vamos lá participar dessa campanha???

7 comentários:

Giuliana: disse...

Telminha,

Que iniciativa legal, ainda não tinha lido sobre esta campanha.

E sua postura com a pequena é exemplar, é desde criança que podemos modificar posturas, melhorar comportamentos e conceitos. =)

Parabéns!

Beijos

Adriana Balreira disse...

Muito bacana o seu texto. Somos mesmo muito racista ainda. Não percebemos o quanto somos. Mas maravilhosa iniciativa. Vou me esforçar para parar com os preconceitos bestas...
Beijos
Adriana

Socorro Melo disse...

Olá, Telma!

Creio que todos nós temos algum preconceito, mas, é importante quando nos conscientizamos disso e resolvemos mudar, pois, isso se chama amadurecimento.
Louvável a iniciativa da campanha, nos ajuda a compreender melhor as diferenças, e conviver com elas.
Bonita sua atitude, sua ação, com relação ao combate ao racismo.

Grande abraço
Socorro Melo

Dama de Cinzas disse...

Bom esse post! E útil! Preconceito é algo que realmente precisa ser combatido primeiro dentro da gente !

Beijocas

Dolores Medeiros disse...

Oi Telma, obrigada pela visita no Corra Lola, lendo seu comentário me lembrei de uma outra experiência de preconceito que vivi, só que até hj penso se minha amiga que é homosexual estava certa. Ela me contou que era gay e eu perguntei pq ela não havia me dito antes (ela era minha amiga há muito tempo). Ela me disse: vc não queria saber...será? Mandamos mensagens que nem imaginamos...doido isso, e as nossas crianças olham nos nossos olhos e enxergam muito!Beijos

Ceila Santos disse...

Telma, como vc é corajosa! Admitir nossos preconceitos assim em público sem ter vergonha é coisa de mãe adulta, hem!
Parabéns e obrigada por partilhar sua alma. Acho que vc trouxe a questão mais dificil e importante de entendermos: ser diferente é bom. não existe ninguém igual ao outro: nem entre brancos. Eu explico pra Malu que todos os milhões de fios do cabelo dela são diferentes, apesar de parecerem igual. nenhum é igual ao outro. e, por isso, não dá pra tratar o diferente como igual pq ele não é igual. é preciso respeitá-lo e pra isso é preciso que a gente conheça a diferença.BRIGADU!

Elcio Tuiribepi disse...

Oi...um pouco atrasado, mas to participando também...
Bom quando conseguimos enxergar isso sem medo, assim podemos trabalhar a nós mesmos e por consequencia nossos filhos
Um abraço na alma
Bjo