quinta-feira, 3 de março de 2011

AMIGAS DOS LIVROS - 2ª livro da corrente

SENTIMENTAL
Guardo ressalvas ortodoxas. Nunca botarei cintos e sapatos brancos. Nem colarei adesivo da Betty Boop na traseira do meu carro.
Antecipo meus preconceitos. Mulher palitando os dentes teria que usar burca.
Já me sinto aliviado ao confessar. Meu temperamento era mais complicado. Eu me vejo avançando, atingindo uma flexibilidade nos costumes que não percebo nas articulações dos braços.
Até acredito que poderíamos relaxar mais. Iniciando pela casa.
Toda residência solicita um detalhe de espelunca. Um objeto inexplicável em cima do armário. Uma mandala que não combina com os bibelôs franceses. Um pôster do Michael Jackson junto às telas de tinta a óleo. Um brinquedo de Kinder Ovo ao lado da cristaleira. Extraviei a vocação conciliatória da mesa com bonecos mexicanos. Conservo miudezas e trastes que nunca serão disputados num inventário.
Existe algo mais brega do que pregar espelho na porta para afugentar maus espíritos? Pois é o que faço. Funciona melhor do que um olho mágico. Muitos desistem de apertar a campainha.
Encontro harmonia no cemitério, encontro vazios no museu, casa é um espaço altamente contraditório. Não colocarei as incoerências nas gavetas. A vida é curta demais para ter sentido.
O bom de ser pobre é que tudo tem um lugar, mesmo na carência de espaço. Os presentes vão aterrisando, qualquer que seja sua origem, e têm um encaixe imediato nas estantes. Nenhum penduricalho é jogado fora, não importa se é estranho, esquisito, esdrúxulo, o que vigora é o valor emocional. Há um cuidado em preservar o gesto acima da utilidade ou do preço do produto.
O desastre de ser rico é que nada tem um lugar, mesmo com a sobra de espaço. Qualquer utensílio reinvidica um estudo do decorador ou do arquiteto. Os casais mergulham numa discussão filosófica sobre a pertinência de uma escultura. Tanto que o rico somente compra terreno na praia para desovar todos os presentes preteridos em seu lar.
O amor deve prevalecer sobre a decoração. Não é saudável estar tudo certo, tudo adequado, tudo arrumado, tudo combinando. Réplicas da Indonésia merecem a companhia engraçada e saudável de um pinguim feito pela filha. Eu sei o significado daquilo, mais ninguém.
Relaxei com a neurose da ordem. (...)
Estou numa fase sentimental. Acendo lembranças nos corredores, cada janela é um santuário. Nenhuma neutralidade me seduz. Desisto de ser chique enquanto a idéia permanecer como sinônimo de falta de personalidade.


Recebi da @patriciadaltro o livro Mulher Perdigueira, do @CARPINEJAR e não li. DEVOREI!!!
Bom... pq eu escolhi essa crônica (Sentimental) para 'ilustrar' o meu post? Não foi a que eu mais gostei, nem a que mais me identifiquei. Simplesmente pq ela traduz um bocado do que estou vivendo na organização da minha casa! CARAMBA! Qta tralha eu tenho!!!
Daí ele 'bate' com o que eu ando tentando fazer: DESAPEGO... Eu tô conseguindo, mas quem disse que o namorido tá? kkkkkk Então eu não pude deixar de pensar nele qndo li a crônica e vi um presente que ele ganhou e não quer desfazer "E o trabalho do cara? Ele fez com as próprias mãos!" Ok... o que faço com essa coisa?
Bom... estou aqui pra falar do livro, né? Outro dia eu volto pra contar dessas coisas guardadas por sentimento, rs.

A Pat Daltro recebeu esse livro anteriormente da @lolaspfc e comentou sobre ele aqui.
Eu AMEI esse livro! Não conhecia o Carpinejar. Nunca tinha ouvido falar, sério! Então li e adorei a forma como ele escreve. Não tem como não identificar com alguma crônica. A maioria, confesso. É o dia a dia, é vida. Não é invenção! É uma delícia!
Crônica sobre família, namoro, sexo, descuidos, passado, saudade...
Lendo o livro na praia, uma das crônica me chamou atenção e eu postei aqui, como forma de homenagear meus dois primos que se foram cedo, meus tios e família e meus irmãos. Esse texto mexeu demais comigo!
Pode ler... qquer pessoa vai se identificar com muitos textos dele. Tanto que depois desse livro eu passei a perseguí-lo no twitter e agora o blog. É uma delícia de leitura!!!!

PS: eu me baguncei... fiz cunfusão e o primeiro livro acabou não chegando nas mãos da minha querida amiga Adriana... Desculpa, amiga! Já estou mandando a "Mulher Perdigueira" pra vc!

Imagem daqui, do blog do Carpinejar.
Quem quiser saber mais sobre o Amigas dos Livros, a Pat Dona Amélia explicou bem aqui.

8 comentários:

Giuliana: disse...

Oi amiga,

Nossa, já fiquei louca para ler. Realmente, deve ser daqueles que lemos numa sentada, de tão gostoso que é viajar pelas palavras do autor. =)

Beijos

Fernanda Reali disse...

De todos os livros da nossa tabela, esse é o que mais me desperta vontade. Não vejo a hora de chegar a minha vez!

beijooo

Karen, viagens e outras coisitas más ... disse...

Oi Telma, estou passando para agradecer a sua participação do sorteio no meu blog.
Adorei essa idéia da corrente literária.
Beijos

Lola disse...

Gente! Esse livro realmente é maravilhoso! Comprei ele quando vi a reportagem do autor na Folha de S.Paulo e me apaixonei pelo jeito sincero dele descrever um homem totalmente alucinado pelos amores da vida! Divino!

Bjs

Maíra disse...

Hey Telma!
Então, na real meu aniversário foi dia 1, hehe, é que a comemoração vai ser amanhã! :-)

Bjossss

Jurubeba disse...

Telma,

Depois do seu post estou MEGA curiosa para ler! Acho que vou me identificar bastante... pelo menos não deve demorar muito para chegar, pois entre ele e eu só estão a Adriana e a Lelê!
rsrs

Beijos ;)

Dona Amélia disse...

Frõ, tu sabia q esse livro acabou caindo nas minhas mãos por engano?? Pois é, a Lolíssima confundiu as Patys e me mandou!! kkk Quaaaase, mas quaaaase memso ele não sai daqui tão cedo! rs

Agora quero que ele volte correndo pra cá! ;oD

Xêros
Paty

Flavinha Gomes disse...

Telma
Fiquei curiosíssima, vou comprar amanhã mesmo. Adorei seu blog.
Bjka
Flavinha
http://casinhabonitinha.blogspot.com/